Reino Já Cheguei


Nome: Cláudia Loureiro
Idade: 37 anos
Marca: Reino Já Cheguei
Local: Reino Já Cheguei - Portugal

"Crafter" como hobbie ou profissão?
Adoro dar aulas e adoro criar novas peças. Para mim era impossível desistir de uma das coisas para me dedicar à outra. As duas actividades permitem-me o contacto com crianças.

Descreva o seu universo craft:
O meu universo craft é muito diversificado. Adoro botões, feltro, tecidos, linhas, agulhas, cartolinas, cartão, papeís coloridos, tecidos, cola, rendas, lãs, crochet, tintas, pincéis...livros de artesanato... Adoro experimentar técnicas novas.

E foi assim tudo começou...
O artesanato sempre fez parte da minha vida desde pequenina. O primeiro contacto que tive com a costura foi às escondidas da minha mãe. Fazia vestidos para a Barbie. Ela só descobriu quando a agulha da máquina de costura apareceu partida… Quando lhe mostrei o que fazia ficou admirada, ensinou-me a aprimorar os acabamentos e a fazer moldes em papel. A minha mãe e a minha avó ensinaram-me também a fazer crochet e a bordar. Durante a escolaridade obrigatória, dava por mim muitas vezes a fazer desenhos nos cadernos.
Enquanto estava a tirar o curso de professora (matemática e ciências da natureza) pintava quadros, a pintura ajudava-me a abstrair-me do stress.
O tempo foi passando e com o nascimento do meu filho mais velho, voltei às costuras. Fiz-lhe uma mantinha em patchwork, um urso, … Nessa altura escrevi um livro infantil chamado «História e Histórias do Reino Já Cheguei» que foi terminado depois da minha filha nascer. Acabei por experimentar outras técnicas, tanto na pintura como na costura. Penso que sei um pouco de cada mas ainda tenho muito para aprender.

Como a sua marca surgiu?
Na verdade a criação deste Reino foi sendo gradual… tudo começou com dois DVD’s feitos e editados por mim e pelo meu marido. Um, quando estávamos grávidos do Tiago («Estou a Chegar!») e mais tarde com um outro chamado «Já Cheguei!» que fazem a reportagem da gravidez e dos dois primeiros anos de vida do Tiago.
Criei este universo imaginário em histórias que escrevia para futuramente lhe contar. Mais tarde veio a gravidez de uma menina e as histórias ganharam um novo personagem… Foi assim que surgiu a marca “Reino Já Cheguei”.

Quais são suas fontes de inspiração?
São sem dúvida os meus filhos. Tudo o que faço é inspirado por eles. O nome do meu Reino, Reino Já Cheguei tem a ver com eles. São eles os personagens principais das histórias do meu livro: o Príncipe Tiago Caracolinhos e a Princesa Joaninha Pigoita. O logótipo do nosso Reino é um caracolinho (tal como o cabelo do meu filhote) mas com o padrão e a cor das joaninhas (lembrando a minha Joana!). Encontro também inspiração na natureza.

Conte sobre os materiais e as cores que mais te encantam:
Como gosto de fazer de tudo um pouco, gosto de ter um pouco de tudo… Adoro abrir as minhas caixas de materias, e pensar o que posso criar a partir deles. Gosto de cores fortes nos meus trabalhos: Rosa forte, Verde alface, Azul Céu, Vermelho e Cor de laranja.

Quais suas preferências ao criar?
Procuro usar sempre materiais de qualidade e diversificados. Gosto de misturar essências nas minhas peças. Peço sempre ao cliente para escolher o aroma. Gosto de usar botões, apliques, missangas, lantejoulas, fitas, rendas, etc. Tento sempre criar peças coloridas e divertidas.

Você trabalha sozinha ou possue uma equipe? Conte um pouco como é sua rotina de trabalho:
Como devem calcular não é fácil gerir um Reino (mesmo com a ajuda do Rei), preparar as aulas, ir a reuniões, cuidar da casa, cuidar dos dois filhos e de dois gatos.
O Reino continua a crescer em grande parte por teimosia minha e por ser um sonho que tem vindo a ser concretizado ao longo de mais de dois anos. A minha equipe de trabalho é a minha família: o meu marido, e os meus filhos de 5 e de 2 anos (os gatos ainda não ajudam).

Ao caminhar, quais são seus projetos e ideais?
Imagino que o meu Reino será conhecido por muito mais pessoas e que os meus produtos serão vendidos em mais pontos do país e no estrangeiro (sonhar não custa).
1. Adorava conseguir conciliar melhor o meu trabalho como professora com a criação das minhas peças. O dia devia ter mais horas…;
2. Gostaria de dispor de tempo para também poder aprender mais e melhorar as minhas técnicas;
3. Gostaria de ter um espaço físico para vender os produtos do meu Reino.

Sua sugestão para quem está iniciando:
Devemos perder algum tempo a tirar fotos. Não é preciso ser um grande fotógrafo nem ter uma máquina excelente. Basta que as fotos fiquem nítidas e com um bom contraste.
Fazer uma descrição pormenorizada do produto (se a loja for on-line). Dizer as medidas e referir a(s) cor(es) caso na foto esta(s) não se perceba(m) bem.
Falar sobre o produto. Podemos ter uma peça linda e original para vender mas se dizermos apenas «Boneca de Tecido» ela não se venderá facilmente.
Devemos falar um pouco sobre ela e do que gosta de fazer... passear, receber miminhos...
O nome da loja deve ter um logótipo, uma marca única, original e facilmente reconhecível.
Os produtos devem ser vendidos com umas etiquetas atraentes e legíveis. De preferência com o nome da loja.
Os trabalhos devem ser divulgados, sempre que possível nas redes sociais e num site ou blog.

Uma dica(s) sua de artesanato:
Pesquisar, experimentar coisas novas, juntar materiais diferentes, arriscar novos moldes, nunca se acomodar, ser persistente, e trabalhar muito até conseguir criar aquilo que imaginou.

Na sua opinião qual o diferencial do artesanato do seu país com o artesanato de outras partes do mundo?
Não é muito diferente. O que diferencia muitas vezes são os materiais, mas mesmo assim, qualquer crafter pode comprar materias pela Internet e enriquecer o seu trabalho. O que é sempre diferente são as histórias por detrás de cada peça, que crescem influenciadas pela cultura local.

Se você fosse um aviamento, qual seria?
Eu seria uma agulha. Para mim é a base de todo o meu trabalho. Com uma agulha posso unir materiais diferentes e dar vida a peças únicas.

Uma pequena lição de vida:
Mais vale tentarmos do que nos arrependermos toda a vida por não ter tentado.

Como a internet influencia o seu trabalho?
A internet é um importantíssimo meio de divulgação. Neste momento é a base que uso para dar a conhecer o Reino. É através dela que conheço as histórias dos meus clientes e as reacções de quem recebe as minhas peças. Gosto muito de “colecionar” fotos de clientes com as minhas peças aqui.

Qual o endereço do seu blog?

http://reinojacheguei.blogspot.com/

8 comentários:

Guizito disse...

Olá querida...
Ficou um espectáculo. Vou divulgar agora mesmo. muito obrigada por me deixar participar neste projecto :)))

beijinhos

Sue Paula disse...

Bom dia!
Parabéns por mais uma entrevista!
Vcs são maravilhosas, Quiane e Carine!
Vou visitar o blog.
Abracinhos floridos
Sue

Marias disse...

Adorei a entrevista de vcs. Adorei os trabalhos. Parabéns a todas pela criação e pela divulgação que o blog dá. Bjus.

Luciana F. Damiano disse...

São lindos os trabalhos.
Adorei
Parabéns pela entrevista.
bjs

Entrevista com Quiane disse...

Querida Cláudia,

O seu Reino é um verdadeiro palácio cheio de magia e encanto, adoramos ter você aqui com a gente!!!

Obrigada e Muito Sucesso!!!!!!

Beijos
Carine e Quiane

Lililooks disse...

Oi obrigada meninas por estas entrevistas me ajudam muito as vezes dá vontade de desistir entre o cansaço do trabalho os filhos a casa a facul a gente fica doida, mais aí eu venho aqui recompor minhas energias, vocês para mim säo meu espinafre,rsd! Sem estas entrevistas eu ñ posso dar continuidade depois do trabalho com tudo, eu deixo fluir a imaginaçäo e me coloco a fazer aquilo que eu mais amo, me falta tempo realmente o dia poderia ter algumas horas mais.rsd! ótimo final de semana

Guizito disse...

Beijos para todas!

Julia Sáddi disse...

Cláudia, amiga, qta coisa linda e criativa, parabéns!!! Tb adoro cores fortes e essas bonecas com cabelos coloridos em tons fortes são demais! Prazer!
1 Abraço Carinhoso, Julia Sáddi

sharethis